Se você me ama, me diga

Por Dejovu em

Jerry não se esqueceu daquele dia de inverno em que nevava e seu filho mais velho quase sofreu um acidente sério. Jeff mal tinha um ano de carteira e isso deixava Jerry nervoso toda vez que o rapaz saía de carro. A proximidade com o desastre aumentou sua ansiedade.

Um dia, logo depois do quase acidente, Jeff disse ao pai que ia a uma festa e voltaria tarde.

– Dirija com cuidado! – Jerry advertiu.

Jeff virou-se para o pai com um olhar de tristeza e perguntou:

– Por que você sempre diz isso?

– Digo o quê?

– “Dirija com cuidado.” É como se você não confiasse em mim dirigindo.

– Não, filho, não é nada disso – Jerry explicou. – É só uma maneira de dizer “Eu te amo”.

– Olhe, papai, se você quer dizer que me ama, diga isso! Se não, posso confundir a mensagem.

– Mas… – Jerry hesitou. – E se seus amigos estiverem com você? Se eu disser “Eu te amo”, você pode ficar sem graça.

– Nesse caso, papai, quando estiver se despedindo, basta colocar sua mão perto do coração e eu vou fazer a mesma coisa –Jeff sugeriu.

Jerry entendeu que seu filho, tanto quanto ele, queria expressar seu amor.

– Estamos combinados – ele disse.

Alguns dias depois, Jeff estava pronto para sair de novo, dessa vez com um amigo.

– Papai, pode me emprestar o carro? – ele pediu.

– Claro – Jerry respondeu. – Aonde você vai?

– Ao centro da cidade.

Jerry lhe deu as chaves.

– Jeff, divirta-se – disse o pai, colocando discretamente a mão perto do coração.

Jeff fez a mesma coisa.

– Claro, papai.

Jerry piscou. E Jeff, chegando perto do pai, falou baixinho:

– Piscar não faz parte do nosso trato.

Jerry ficou meio surpreso.

– Tudo bem, papai, até mais tarde – Jeff disse enquanto se dirigia à porta.

Antes de sair, ele se virou – e piscou.

Autor: Mitch Anthony

Categorias: Metáforas

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.