Os dois cântaros

Por Dejovu em

Um moço religioso que vivia entre os monges do deserto sentia-se pouco inteligente e incapaz de guardar os ensinamentos recebidos.

Entristecido, procurou um velho sábio e lhe disse:

“Apesar dos esforços constantes que faço, não chego a conservar na memória durante muito tempo, as instruções que recebo. Vão, também, para o esquecimento os trechos mais belos que leio, diariamente, no evangelho.”

O sábio que o escutava com paciência e bondade pegou dois cântaros e falou ao jovem:
“meu filho, toma um daqueles cântaros, coloca um pouco d’água, e depois lava-o cuidadosamente. Enxuga-o com o teu próprio hábito e devolve-o ao lugar onde estava.”

Obediente, o moço fez exatamente o que lhe determinou o sábio.

Concluída a tarefa, o ancião perguntou-lhe qual dos dois cântaros estava mais limpo e claro.

O rapaz tomou nas mãos o cântaro que acabara de secar e respondeu:
“este, por certo, está mais limpo. Lavei-o com muito cuidado.” – disse sorrindo.

O sábio, então, retorquiu: “repara bem” – apontando para o cântaro limpo, “ele difere muito daquele outro que não foi lavado por você e continua sujo e empoeirado.

Porém, embora inegavelmente limpo, este cântaro não retém mais vestígio algum da água que o purificou.

Autor: Autor desconhecido

Categorias: Metáforas

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.