Carne Crua

Por Dejovu em

Pele branca, nua
Escorrendo pela boca
Louca
Sedenta de loucura
Dura

Autofagia dos corpos
Que vão se devorando
Dentro e fora do normal
Em toda conjunção carnal
Todo homem é João
E todas mulheres são Maria

Pele morena, quente
Sabor al dente
O tempo paralisado
Abre fendas
Desembainha espadas
Sinto meu sangue correndo
Em veias erradas

O meu singular
Virando o seu plural
Seu mel tornando-se meu sal
Nossos corpos abraçados de um jeito
Que chego a pensar que seu coração
Está batendo no meu peito

Rasga a minha pele
Tatua seu nome no meu braço
Vou puxar seus cabelos
Perder os meus freios
E morrer para sempre
No macio dos teus seios

Autor: Andre Luis Aquino

Categorias: Desejos e Erotismo

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.