O bebum e as roseiras

Por Dejovu em

Eram seis horas de uma manhã fria e o sol, suavemente, aparecia no alto do morro do amor, aquecendo algumas casas humildes. Sentado na varanda, desviei o olhar da colina e passei a observar o quintal: o mato ao redor das roseiras e a buganvília com seus galhos compridos e espinhosos, sufocando a jabuticabeira. Fechei os olhos e recostei a cabeça, ouvindo mentalmente a reclamação da mulher, imitando o Boris Casoy:
– Paulo… Chama alguém pra limpar esse quintal! Isso é uma vergonha…
Mas chamar quem, se o último levou o dinheiro adiantado e não retornou… Só depois de muito tempo surgiu todo humilde, com a “cara de bobo”, contando sua internação e, que só não morreu, porque fugiu do hospital.
Pior que conta com tanta convicção que a gente pensa que o hospital é ruim mesmo!
Mas cansado de ser enganado, resolvi eu mesmo limpar o terreno e agradar a esposa. Caminhei até a garagem, peguei a enxada, ancinho, tesoura de podar e fui trabalhar. Claro, sem a disposição de peão: comigo as coisas são lentas, sem estresse, duas podadas e parava… Olhava para o céu e pensava na vida, até que, numa dessas meditações, ouvi meu nome:
– Paulo!
Olhei ao redor e não vi ninguém. Parecia voz do além, alma do outro mundo e sem saber de onde vinha, lembrei o aviso do pastor, na sessão do descarrego:
– Se ouvir seu nome, não responda, pode ser o demônio!
Mas escutei de novo:
– Paulo!
Desta vez me arrepiei e, como bom medroso cinéfilo de terror, falei comigo mesmo:
– Quer saber de uma coisa? Eu vou responder… Se for o “capiroto” que se dane! Faço o sinal da cruz e digo que “tá amarrado”!
Sai pelo quintal olhando os cantos, abrindo os galhos e perguntava:
– Quem é? Quem é? Fiz isso até chegar ao portão e alguém responder:
– Sou eu seu Paulo, o bebuuummm!
Ao ouvir sua voz, abri o portão irritado:
– Po bebum! Não tem o que fazer não?
– Se tivesse seu Paulo… Não vinha aqui pedir biscate…
– Biscate? Que isso… Suicídio, hé? Já ta meio morto… Todo esquelético…
Ele me olhou meio “vesgo”, tipo siri e respondeu:
– Pô seu Paulo… Deixa de sacanagem…
Sacanagem não… Tem que se cuidar! E tem mais: Se passar pelo cemitério, o coveiro manda entrar e aguardar na “cova de espera”!
Ele colocou as mãos nos ouvidos, andou até o poste resmungando e depois voltou:
– Pô seu Paulo… To falando sério e fica de zoação!
De repente tremeu e ficou mais vesgo, seqüela da abstinência. Com pena, resolvi ajudá-lo… Claro, cheio de recomendações:
– Escuta bebum… Vou te dar um minúsculo serviço por dois motivos: primeiro não fez “cara de bobo”… Já tem de nascença! Segundo, não pediu dinheiro adiantado. Mas tem uma coisa: precisa se alimentar… Só cachaça, vira pudim!
Ele entrou, fechei o portão e subimos a rampa, conversando:
– Quero que roce só o capim, sem pressa e muito cuidado com as roseiras… Sabe como é minha mulher… É cheia de coisas com as plantas e nem gosta de você aqui desse jeito… Tem que terminar, antes dela voltar.
E levando-o ao quintal, mostrei-lhe as flores:
– Tá vendo isso aqui? É uma roseira… Presta atenção pra depois dizer que não avisei… Tem várias espalhadas no jardim, entendeu?
– Deixa comigo seu Paulo… Dona Ana vai ficar satisfeita!
Depois dos avisos, sai tranqüilo e fui descansar. Meia hora depois retornei com alguma coisa para ele comer. Mas só deu tempo de colocar a bandeja sobre a mureta e levar as mãos à cabeça: acho que recebeu o caboclo “rompe mato” e simplesmente meteu a foice em tudo. Fez o que dez capinas da multiprof não fariam, mesmo se quisessem…
Diante da tragédia paralisei de boca aberta e o idiota, achando que meu espanto era satisfação, ficou rindo, exibindo as gengivas, alegrinho pelo serviço!
Para piorar, a mulher chegou mais cedo e enquanto fechava o portão, o joguei no chão, tentando camuflá-lo em moita, jogando capim sobre ele, mas ela lá de baixo, desconfiou:
– Quem ta aí Paulo?
– É o bebum, amor… Larguei-o no chão e disfarcei: – Acho que o jogaram pelo muro do vizinho e caiu aqui no quintal, em cima de suas roseiras!
Ele ainda quis desmentir, mas cobri sua boca com a mão e corri, me escondendo no quarto de cima. Com os gritos, espiei pela fresta da janela e o vi fugindo desesperado, ela atrás, riscando o fósforo e jogando em cima dele:
– Pára com isso dona Ana… A senhora quer me incendiar?
E ela possessa, gritava:
– Vem cá seu bebum maluco… Quero minhas roseiras de volta ou vai virar dragãoooo!

Autor: Walter monteiro

Categorias: Crónicas e Textos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.