Casados e Namorando

Por Dejovu em

Tudo parecia muito normal quando eu era pequeno. Uma vez por semana, papai chegava em casa com rosas para mamãe. Eles se beijavam na cozinha todas as manhãs. Duas vezes por semana, havia a “noite do namoro”, e várias vezes por ano eles viajavam sozinhos para desfrutar um “fim de semana romântico”.

A melhor parte disso tudo era que minha irmã mais nova, Emily, e eu podíamos comer meu prato preferido – peixe com batatas fritas – nas noites de namoro, quando a babá nos deixava escolher o cardápío.

Mas, depois de um tempo, aos 10 anos, comecei a me sentir em segundo plano, a ponto de enjoar de batatas fritas. Por que meu pai e minha mãe têm de namorar tanto? Por que não podemos ir também? Meus amigos vão a todos os lugares com os pais. Será que os pais deles os amam mais? Deve ser culpa de Emily, pensei. Se ela não tivesse nascido, eu sairia à noite com mamãe e papai, e viajaria com eles nos fins de semana.

Meus pais explicaram que o tempo que passavam sozinhos não tinha nada a ver com os filhos: tratava-se de pôr o casamento em primeiro lugar. Um bom casamento, disseram eles, gerava pais felizes e, portanto, uma família mais sólida. Tínhamos sorte, garantiram eles. Um dia eu entenderia. E acabei entendendo.

Tenho prazer em dizer que, depois de 40 anos, meu pai e minha mãe ainda fazem questão de sair pelo menos duas vezes por semana.

Não por acaso, ainda estão profundamente apaixonados. E quanto aos pais dos meus amigos, que nunca reservavam tempo para si mesmos? Muitos se divorciaram depois que os filhos saíram de casa.

Minha mulher, Michelle, e eu tínhamos nossa noite de namoro, mas, após cinco anos de casamento, deixamos os compromissos e a desculpa de estarmos cansados tomarem conta. Este ano decidimos recomeçar, e semana passada foi nossa primeira saída.

Michelle estava linda. E mais uma vez me dei conta de como ela é inteligente e de como tenho sorte. Quando nos sentamos um em frente ao outro, percebi que não devíamos ter deixado nossas saídas se perderem na correria do dia-a-dia. Esta é a vida que eu quero.

Autor: David Bach

Categorias: Amor

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.