Tenho de parar, sem que na verdade me sacudam. Nem sequer sinto o…

Por Dejovu em

Tenho de parar, sem que na verdade me sacudam. Nem sequer sinto o perigo de me perder, e no entanto sinto-me tão desamparado como quem está de fora. Mas a firmeza que a mais insignificante escrita me proporciona está para além da dúvida e é maravilhosa. A visão compreensiva que tive de tudo durante o meu passeio de ontem!

Autor: Kafka

Categorias: Reflexivas

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.