Quando o teu olhar infindo/ Poisa no meu, quase a medo,/ Temo que…

Por Dejovu em

Quando o teu olhar infindo/ Poisa no meu, quase a medo,/ Temo que alguém adivinhe/ O nosso casto segredo.//
Logo minha alma descansa;/ Por saber que nunca alguém/ Pode imaginar o fogo/ Que o teu frio olhar contém.

Autor: Espanca

Categorias: Reflexivas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.